Skip to content

Globo de Ouro 2011: Comentando a cerimônia

17/01/2011

Algumas considerações sobre a cerimônia de premiação dos Globos de Ouro:

– Ricky Gervais sempre foi um comediante notório pela acidez, mas ultrapassou todos os limites na função de apresentador (cargo dispensável à estrutura dinâmica de entrega dos Globos, aliás). As piadas, se engraçadas, só surtiram efeito no público de casa. Os presentes pareciam extremamente desconfortáveis e constrangidos, temerosos em se tornarem a próxima vítima do inglês que, num período de três horas, avacalhou filmes e interpretações indicados, menosprezou a carreira de alguns convidados e apontou a homossexualidade reprimida de outros.

– A distribuição de prêmios saiu do esperado em pouquíssimas categorias e o que os votantes optaram por fora não deve repercutir nas demais premiações (como, por exemplo, a vitória de Paul Giamatti como Ator em Filme de Comédia, que não basta para indicá-lo ao Oscar, ou Katey Sagal vencendo Atriz em Série Dramática por “Sons of Anarchy”, que provavelmente continuará a ser esnobada pelo Emmy no meio do ano).

– “A Rede Social” é mesmo o filme da temporada, e nem mesmo o Globo, que adora se desviar das tendências, pode negar-lhe o reconhecimento. Além de Filme Dramático, Direção e Roteiro, também venceu em Trilha Sonora, categoria em que só faz crescer. Um dos prazeres da festa foi observar o elenco na platéia, simplesmente feliz por estar ali. Andrew Garfield e Jesse Eisenberg parecem ter desenvolvido uma dessas amizades duradouras, assim como Emma Stone, indicada por “A Mentira”, que parece ter muita afeição por eles.

– Annette Bening fez o discurso mais classudo da noite ao ser premiada por “Minhas Mães e Meu Pai” (também escolhido o Melhor Filme de Comédia). Por outro lado, sua principal ameaça no Oscar, Natalie Portman, avacalhou em suas colocações ao vencer como Atriz Dramática. Voltou até a geração da avó para atrair atenção para a própria gravidez (que o modelito fez o possível para evidenciar), e está seguindo a cartilha para receber o careca dourado no final de fevereiro.

– Tendo visto “O Discurso do Rei” minutos após o encerramento do Globo de Ouro, pude confirmar que o prêmio para Colin Firth – mais um à coleção que vem recebendo – foi mais que merecido. No entanto, ele não percebeu, ao contrário de Meryl Streep, que os shows de premiação não são para momentos pessoais. São feitos para o grande público, que está assistindo à espera de ser entretido. Fica a dica para que Firth não repita o discurso aborrecidíssimo em ocasiões futuras.

– Os coadjuvantes de “O Vencedor”, a essa altura do campeonato, parecem ter garantido a vitória no Oscar. Christian Bale estava exaltado no discurso (talvez bêbado, talvez drogado), e Melissa Leo honradíssima. Se a Academia também optar por eles, será a primeira vez que os coadjuvantes do ano vem do mesmo filme desde 1987, quando Michael Caine e Dianne Wiest venceram por “Hannah e Suas Irmãs”. Pessoalmente, considero Geoffrey Rush (“O Discurso do Rei”) e Jacki Weaver (“Reino Animal”) os melhores nas categorias.

– A canção de “Burlesque”, You Haven’t Seen the Last of Me, é um belo exemplo de Cher torturando seus ouvintes. Talvez por isso tenha vencido.

– “Glee” não é a Melhor Série de Comédia na TV, como sugere o Globo de Ouro, mas a lembrança aos coadjuvantes Chris Colfer e Jane Lynch é justíssima. Ele, em especial, tem sido a luz dessa segunda temporada. Ainda no campo da comédia, quão legal foi Jim Parsons ser anunciado o Melhor Ator por uma vibrante Kaley Cuoco, sua colega de elenco em “The Big Bang Theory”? Uma pena que Laura Linney não tenha podido comparecer para aceitar o prêmio de Atriz por “The Big C”: o pai dela falecera na véspera.

– No terreno dramático, ainda não conferi “Boardwalk Empire”, mas não duvido de sua monstruosa qualidade. Já o prêmio de Steve Buscemi me deixa um gosto amargo: será que era o caso dele vencer acima do trabalho excepcional de Jon Hamm nessa quarta temporada de “Mad Men”? Ou ainda de Bryan Cranston, brilhante em “Breaking Bad”.

– “Carlos”, a premiada minissérie de seis horas, tem credenciais impecáveis, e ao que tudo indica, seu protagonista Edgar Ramirez deveria ter vencido como Melhor Ator no lugar de Al Pacino. Já Claire Danes, Melhor Atriz por “Temple Grandin”, era unanimidade. Emocionante, ainda, que a própria Temple estivesse na platéia, abraçando Claire com entusiasmo (e quem viu o telefilme sabe o quanto um contato físico custou a ela).

– Robert DeNiro, homenageado pela carreira, fez um discurso mequetrefe e preguiçoso, previamente escrito (não por ele, de certo) e rodado no teleprompter. Ele, que está nos cinemas com “Entrando numa Fria Maior Ainda com a Família”, se assentou colhendo os louros do passado. Poderia se inspirar no amigo Pacino, que continua buscando desafios e superações (e quem viu o telefilme “You Don’t Know Jack” garante que ele conseguiu ir além).

– A edição da cerimônia foi uma bagunça só. Alguém mais reparou que flagraram Angelina Jolie retocando o batom durante um discurso alheio?

– Como tapete vermelho sempre rende um falatório delicioso, pergunto: quais foram os mais elegantes e cafonas da noite pra vocês? Achei Jayma Mays, de “Glee”, um arraso. Já a Helena Bonham Carter… Bom, melhor não jogar sal na ferida.

7 Comentários leave one →
  1. Lucy permalink
    17/01/2011 7:41 pm

    Eu acho engraçado como, apesar de termos alguns gostos em comum, em algumas coisas discordamos absurdamente. Acho que poderíamos fazer debates divertidíssimos – e adultos, cheios de argumentos – se parássemos pra conversar sobre TV e cinema.

    Ontem eu tive várias emoções vendo os GGs… Eu comentei com o pessoal com quem eu assistia – pq pra mim e alguns amigos, é sempre um evento – que eu estava confusa pq a premiação me fazia feliz num segundo pra no outro me dar um tapa na cara. Achei a premiação de TV bem justa, mas não curti mto a premiação de cinema. TSN é um bom filme, mas não sei se td isso. Sinto que Inception e Black Swan foram absurdamente esnobados, infelizmente…

  2. 17/01/2011 9:01 pm

    eu até ri bastante com o Gervais, mas ele foi terrível! é que eu o acho fofo por demais, gosto dele, mas que ele foi terrível, foi sim.
    nem sabia que a Portman tava grávida, achei fofa. mas também excessivamente blé nos agradecimentos; Colin Firth me matou de tédio (e, tá, eu sabia… mas era dez mil vezes mais Gosling – sem nem ver interpretação, só porque confio minha VIDA ao Ryan – e umas quatro mil e trezentas vezes o Franco).
    adorei ver Depp concorrer por dois papeis e não ganhar NENHUM! e olha que até outro dia eu era da coligação de advogados de Depp. me enchi, achei engraçado ele lá, laranja, mascando chiclete.
    e DELICIA DAS DELICIAS ver Bonham Carter PUTA DA CARA por perder o prêmio para quem nem eu lembro mais.

    Jim Parsons é um cocô. e a menina lá do BBT que entregou o prêmio uma toscolina. FALOMERRRMO!
    e o Robert de Niro tá A CARA do meu vizinho argentino. só pra vc saber!

    =****

    • 17/01/2011 9:07 pm

      Lucy, não é bacana, isso? Concordarmos e discordarmos avidamente, mas com muito respeito🙂 Sobre a premiação, acho que estamos quase em comum acordo. Em TV, discordo principalmente de Glee como Melhor Comédia, e em Cinema, apóio o prestígio a Social Network.

      Quéroul, falando em Gosling, estou com Blue Valentine em mãos e assisto logo mais !😉 Mas adianto, ele tem que estar muito genial para bater Colin Firth com méritos (mesmo sendo chatola na vida real, Firth só cresce como ator). E eu também reparei a reação da Helena hahahaha ! E coitado do Jim Parsons… Mais amor, hein ! Beijo.

  3. 17/01/2011 10:37 pm

    Perfeito, Louis! E ainda flagraram a Jolie ajeitando a gravata do Brad Pitt. Beijos!

  4. Caroline® permalink
    18/01/2011 12:30 am

    Nunca tinha visto um GG inteiro e ao vivo. Achei uma diversão! O povo todo largado, só faltava pegar alguém bocejando ou tirando meleca! E a hora que mostraram uma véia no lugar da Julia Stiles? Risos! Só eu amei MUITO Robert Downey sensualizando com as indicadas a melhor atriz de filme comédia? Andrew Garfield e Jesse Eisenberg são 2 fofinhos cuti cuti, né? E Armie Hammer é tooo much, Meo Deos! Ouvi dizer que o Rubens Ewald falou absurdos na TV. Ainda bem que eu vi direto na NBC!

    • 18/01/2011 8:09 pm

      Ka, pra você ver como os famosos, no fundo no fundo, são gente como a gente ! HAHAHAHA

      Caroline, eu casquei o bico quando erraram o foco na Julia Stiles ! E acho que a piada do Downey Jr funcionou principalmente porque Emma Stone entrou na brincadeira e reagiu muito bem. Sorte sua por ter visto na NBC, mas a TNT com SAP também foi agradável. Acho que eu teria perdido o fôlego de tanto rir se ouvisse o REF confundindo a Mercedes de Glee com a Precious !🙂

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: